Cristiano Ronaldo a figura

Publicada por Webmaster | 1:42 da tarde | 0 comentários »

Fica ligado de forma directa a tudo o que a selecção nacional realizou nesta fase qualificação, rumo ao euro'2008. O madeirense foi sempre o pêndulo da equipa de Scolari e, quando ele não rendeu, os resultados também não apareceram. Foi ele o grande impulsionador em partidas nas quais as prestações não ultrapassaram a mediocridade e, com o seu dinamismo e versatilidade, vastas vezes contagiou todo o resto da equipa. Aos 22 anos, fez 13 dos 14 jogos de qualificação, falhando apenas a deslocação à Bélgica, por se encontrar castigado, dado que vira duas vezes o amarelo, em idênticos compromissos anteriores: Bélgica (C) e Sérvia (F) . Foi sempre titular, com dez jogos completos e três em que saiu quando tudo estava já resolvido. Apontou oito golos, deixando Nuno Gomes e Simão, cada qual com três, a grande distância. Concretizou dois "bis" [Azerbaijão e Bélgica], ambos em casa, marcando ainda golos na recepção ao Cazaquistão e nas deslocações à Arménia, Polónia e Cazaquistão.

Scolari Perspectivou grande equilíbrio no grupo e constatou que quem acumulasse 28 pontos, passava, concretizando-se com o apuramento da Polónia (28) e Portugal (27). Fruto desse realismo, optou pela gestão daí resultando seis tantos empates, precisamente por via de alguma contenção, mormente nos jogos realizados fora de casa, em que jogou muitas vezes para o… "pontinho".

Ricardo Titular absoluto, foi o único jogador que actuou a totalidade dos minutos. Terá cometido alguns deslizes mas dez golos sofridos em 14 jogos revela-se um saldo deveras positivo.

Miguel Veloso Tem o futuro a seus pés. Scolari não teve problemas em abdicar de alguns atletas do seu habitual "núcleo" duro e Veloso foi um dos beneficiados. Cumpriu a totalidade dos derradeiros 360 minutos da qualificação, o equivalente a quatro partidas, nas quais, pese embora Portugal ter vencido apenas uma [empatou três], acabou por gerir a qualificação.

Makukula Apenas três jogos parciais (62 minutos), o suficiente para marcar um golo e contribuir para os três pontos conquistados no Cazaquistão. Pode, também, sonhar, com a presença na fase final.

Nuno Gomes Simboliza os pontas-de-lança do futebol português e a fragilidade revelada no capítulo da concretização. Ronaldo, com oito golos, somou mais que o jogador do Benfica, Hugo Almeida, Postiga e Makukula juntos (6). E, registe-se, a forma de actuar de Portugal até favorece os avançados mas, não fora o poder de concretização do madeirense, e a preciosa ajuda de Simão, e Portugal teria ficado pelo caminho.

Deco Não foi o estratega que a equipa necessitou. Quando jogou (10 partidas), não provocou desequilíbrios, não tendo apontado qualquer golo.

Autor: David Spranger
Fonte: Jornal da Madeira

0 comentários