Foi real a possibilidade de Cristiano Ronaldo mudar-se para Valência no início da presente época. Quem o garantiu foi o presidente do clube «che», Juan Soler, que explicou hoje os contornos da negociação.

«Era uma aposta arriscada, pois evidentemente que ele cobraria muito mais que o nosso ‘top’ salarial. Mas falou-se com o seu empresário e o jogador aceitou ajustar-se ao salário máximo do clube em troca de percentagem de uma possível transferência», começou por explicar Soler, em entrevista ao jornal Las Provincias, no qual garante que «faltou menos que beber um café para que Cristiano Ronaldo viesse para o Valência».

Então, e como é fácil perceber, algo correu mal para que o internacional português não se tivesse juntado aos seus compatriotas Hugo Viana e Miguel: «Conseguimos reunir 30 milhões para a transferência, aproveitando os seus direitos de imagem. E talvez pudéssemos gastar até 50 milhões, mas faltou o Manchester United dar um preço.»
Fonte: Abola

0 comentários